terça-feira, dezembro 10, 2013

Qual o exercício ideal: pilates, musculação ou treino funcional

A oferta atual de aulas de ginástica e exercícios é tão grande que as propostas de resultado das modalidades por vezes acabam se perdendo num mar de informações que chega aos interessados. Afinal, qual escolher? O primeiro passo é definir qual é o seu objetivo ao praticar um esporte: emagrecer? Ganhar massa magra? Qualquer que seja sua resposta, provavelmente vai passar pela sua cabeça optar pela clássica musculação, pelo mais recente queridinho das academias, o treinamento funcional, ou pelo badalado pilates, três das práticas mais difundidas hoje em dia. “Uma das mais frequentes interrogações atualmente é o que as diferencia e o que as assemelha”, explicaRafaela Porto, educadora física da Pilates Studio Fit.
Para acabar de vez com a dúvida, descubra a seguir o que cada um dessa tríade pode fazer pelo seu corpo - e porque o treinador de beldades como Ísis Valverde e Flávia Alessandra opta por um treino que mistura todos eles.
Pilates
“A metodologia é baseada no controle da respiração e alinhamento da coluna através do fortalecimento de músculos profundos do tronco e abdome”, explica Rafael Lund, personal trainer caricoca resonsável pelo corpo em forma de várias globais. Ótima opção para quem já está no peso ideal e busca apenas tonificar os músculos (sem almejar curvas de mulher-fruta), já que ele define abdome, glúteos e pernas. “Com aparelhos, o resultado é melhor porque dá para aumentar a sobrecarga e dificultar os exercícios”, diz Isaias Lemes, professor da academia Bio Ritmo. Mas se quiser queimar algumas gordurinhas no processo, a indicação são as aulas de Cardio (ou Mat) Pilates, um circuito de uma hora com vários exercícios da modalidade feitos em sequência rápida prometendo queimar cerca de 400 calorias por aula ou ainda a utilização da plataforma de salto, chamada de Jump Board. “Ela proporciona um desafio aeróbico por fazer com que o aluno não descanse entre os saltos, exigindo assim maior ativação de pernas, braços e abdome”, explica Rafaela. 
Musculação
Atende a todos os interesses, já que os efeitos dependem do número de repetições e peso das cargas: quanto maior o número de repetições e menor a carga, mais vai beneficiar quem quer secar, já que queima um maior número de calorias e ajuda a ficar durinha sem ganhar mais bumbum, por exemplo. Já o contrário - um treino menos repetições com mais peso - incentiva o aumento de volume dos músculos e ganho de massa magra. É a técnica que acaba dando os resultados mais rápidos. “Se o objetivo do cliente for hipertrofia, acho muito difícil conseguir com qualquer outra forma de atividade resultados tão expressivos como os da musculação convencional”, explica Rafael. “Utilizam-se pesos de maneira progressiva, então sabemos exatamente o resultado que teremos ao aplicar cada carga e, por isso, conseguimos determinar diversos programas. Esta forma de treinamento físico pode ser utilizada para fins atléticos, estéticos e de saúde”, completa Rafael. “O treino da Flavia Alessandra, por exemplo, sempre inclui alguns exercícios de musculação especialmente para reduzir os desconfortos que ela tem em algumas articulações”, exemplifica. 
Treinamento Funcional
A melhor opção pra quem quer secar alguns quilinhos, já que são uma espécie de cópia dos movimentos que o corpo faz em situações cotidianas - como mudar um sofá de lugar - e podem ser adaptados aos objetivos de cada pessoa, levando a utilização de um maior número de músculos por exercício (e, consequentemente, a um maior gasto calórico se for esse o caso). “O principal objetivo é resgatar a funcionalidade que foi perdida ao longo do tempo. Representa uma volta à utilização dos padrões fundamentais do movimento humano, como empurrar, puxar e agachar, envolvendo a integração do corpo todo”, explica Rafael. Ainda que cumpra uma função diferente da musculação, as séries funcionais acabam agradando quem fugia das repetitivas máquinas. “O treino da Isis Valverde, por exemplo, tem muitos exercícios funcionais, cada vez mais difíceis, que envolvam equilíbrio, força, agilidade. Ela não gosta de musculação, porém adora desafios, então a ideia é conseguir fortalecer e manter o corpo dela seco. Pra esse objetivo, essa forma de treino se encaixa perfeitamente”, indica Rafael.
O ideal?
Uma mistura das três modalidades. “É muito comum, atualmente, profissionais misturarem as técnicas para atingir o resultado esperado por seus alunos. Eu considero muito importante o controle da respiração do Pilates, acho fundamental o conhecimento científico que a musculação forneceu ao longo de tantos anos de pesquisa, mas é impossível deixar de lado os benefícios recentes que o treinamento funcional tem apontado, por isso não me prendo a apenas uma técnica“, diz o treinador das famosas. (VICTORIA MARCHESI)
Fonte: vogue.globo.com

Pilates: completo, divertido e com resultados rápidos

O método Pilates foi desenvolvido por Joseph Pilates no início da década de 1920, e tem como base um conceito denominado de contrologia. Segundo Pilates, contrologia é o controle consciente de todos os movimentos musculares do corpo. É a correta utilização e aplicação dos mais importantes princípios das forças que atuam em cada um dos ossos do esqueleto, com o completo conhecimento dos mecanismos funcionais do corpo, e o total entendimento dos princípios de equilíbrio e gravidade aplicados a cada movimento, no estado ativo, em repouso e dormindo.
Um pouco de história
Pilates nasceu em 1883, na Alemanha. Seu pai era um ginasta de descendência grega, sua mãe era naturopata – já falamos da naturologia, a evolução da naturopatia, aqui. Os pais foram as duas grandes influências na vida do filho, que era uma criança doente, sofria de asma, raquitismo e febre reumática. Por conta do nome, Pilates sofreu muito bullying na escola. Por conta disso tudo, ele dedicou a vida a melhorar a sua saúde através do exercício e força.
Uma das suas premissas é que a saúde física é o primeiro degrau para a felicidade. Ele focalizou nas técnicas respiratórias para se curar da asma. E se exercitava de calção ao ar livre para se curar do raquitismo – que é causado pela deficiência de vitamina D, produzida no corpo pela exposição ao sol. Aos 14 anos, ele estava em forma e posava para desenhos anatômicos.
Estudou musculação, ioga, artes marciais e ginástica. As influências destas práticas estão presentes na prática do Pilates. Em 1912, Joseph mudou-se para a Inglaterra, onde trabalhou como boxeador profissional, artista de circo e treinador de defesa pessoal da Scotland Yard.
Durante a Primeira Guerra Mundial, Pilates foi preso junto com outros cidadãos alemães na Ilha de Mann. As condições de saúde eram precárias. Entretanto, ele insistiu que todos no pavilhão participassem das suas rotinas diárias de exercícios.
Alguns feridos, que estavam muito fracos para sair da cama. Então Pilates usou as molas das camas acopladas às suas cabeceiras e pés para criar exercícios para quem estava acamado. Essas camas são as precursoras dos aparelhos de Pilates, como o Cadillac e o Reformer, pelos quais o método é reconhecido. Diz a lenda que durante a grande epidemia de gripe, em 1918, nenhum dos soldados sob os cuidados de Pilates morreu.
Depois da Guerra, Pilates voltou à Alemanha e colaborou com especialistas em dança e exercício, como Rudolph Laban. Ele também treinou policiais. Decepcionado com a pátria por conta da ascensão do Partido Nazista, emigrou para os Estados Unidos. Foi na viagem que Joseph conheceu uma jovem enfermeira chamada Clara, que se tornaria sua esposa.
O casal criou um estúdio em Nova Iorque, onde supervisionaram seus alunos até a década de 60. A contrologia foca no controle dos músculos posturais básicos, que ajudam a fornecer equilíbrio do corpo e dão suporte à coluna vertebral. Os exercícios ensinam a importância da consciência respiratória, do alinhamento da coluna vertebral e o profundo fortalecimento do tronco e dos músculos abdominais.
Pilates passou a acreditar que o estilo de vida moderno, a má postura e a respiração ineficiente geram problemas de saúde. Como seu estúdio estava próximo a muitos estúdios de dança, Pilates foi descoberto por grandes bailarinos, como Georges Balanchine e Martha Graham.
O repertório do método tem muitas referências ao balé clássico e também à técnica Graham.Muitos bailarinos e atores frequentavam o estúdio para desenvolver sua força e graça, como também para se reabilitar depois de acidentes. Ele escreveu dois livros “Your Health” (Sua Saúde, 1934) e “Return to Life through Contrology” (De Volta à Vida com a Contrologia, 1945). Além disso, ele inventou todos os aparelhos usados hoje pelo método: Cadillac, Reformer, Chair e o Ladder Barrel. Ele faleceu em 1967, aos 83 anos, e manteve uma condição física excelente, inclusive na idade avançada (como mostram as suas fotografias).
Joseph também tinha hábitos excêntricos: fumava charutos, adorava festas e usava suas cuecas de exercício em qualquer lugar. O trabalho e as técnicas desenvolvidos por Joseph e Clara no estúdio foi divulgado e perpetuado pelo trabalho de seus discípulos – os primeiros formam o grupo de Anciãos e os mais novos são os Prodígios.
Até que se transformasse num método, a técnica foi usada principalmente por bailarinos e atletas de elite. Hoje, o Pilates tem seus benefícios amplamente reconhecidos, indicados para todas as pessoas, independente de tamanho, sexo ou idade:
Aumento na flexibilidade
Aumento da força muscular
Força muscular equilibrada
Controle muscular aumentado.
Aumento da estabilidade da coluna vertebral
Aumento da coordenação motora e equilíbrio
Relaxamento
Reabilitação segura em caso de acidentes com juntas ou coluna
Previne danos à estrutura musculo esquelética.
Aumento da saúde e bem-estar.
Mitos sobre Pilates:
.É coisa de mulher
Basta ler a história para saber que não. Os exercícios e aparelhos se adaptam a diferentes níveis de condicionamento físico e podem desafiar MUITO a musculatura dos homens.
.Pilates e ioga são iguais
Movimentos lentos, concentração e consciência corporal são exigências das duas práticas. O Pilates entretanto, as utiliza para fortalecer a musculatura e realinhar a postura, evitando lesões e proporcionando bem estar.
.Pilates é fácil
Há níveis de Pilates – ele não é igual para quem está começando, para quem já faz outras atividades ou para quem está em reabilitação. Cada caso é único e o instrutor deve prestar muita atenção ao aluno. O método tem exercícios desafiadores para todos. Ele trabalha a qualidade do movimento e não a quantidade ou a velocidade. Mas não se engane: os resultados são profundos.
.Qualquer um pode ensinar – ou aprender com DVDs.
Não. Instrutores de pilates são formados em Educação Física ou Fisioterapia. Além disso, eles também fazem cursos de formação, estudam anatomia, as doenças e as possibilidades do corpo. O instrutor qualificado é fundamental – e você só vai conseguir fazer alguns movimentos sozinha quando já tiver algum tempo de prática.
Fonte: discoverymulher.com
Por Lucia Freitas
 
Copyright 2009 Ludi Vaz Personal Stylist. Powered by Blogger Blogger Templates create by Deluxe Templates. WP by Masterplan